Contribuir small-arrow
Voltar à home
Sugiram

Questões para a conversa

Conversa de Café – Não dá para usar bicicleta em Coimbra: verdade ou mito?

Estão todos convidados para um encontro sobre o tema da mobilidade urbana e os desafios que a utilização da bicicleta como meio de transporte levanta no nosso concelho em particular.

Partilha

Sugiram

Questões para a conversa

A descarbonização é uma urgência global, deve ser uma preocupação local e uma das coisas que torna isso possível é a maior utilização de transportes públicos e a opção por meios de transporte alternativos não poluentes, como a bicicleta. É um facto que o futuro tem de ter menos automóveis e emissões de dióxido carbono, mas quando se fala da utilização da bicicleta como meio de transporte em Coimbra, é comum ouvir o argumento de que a cidade não se presta a isso. Seja por causa das colinas, seja devido à insegurança em relação à convivência na estrada com o tráfego automóvel, são vários os argumentos. No entanto são várias também as vantagens enumeradas por quem escolhe a bicicleta para se deslocar na cidade: ambientais, económicas, físicas e até psicológicas.

O Município de Coimbra está a desenvolver a rede de ciclovias e a promover o uso da bicicleta no centro da cidade com a criação de postos de parqueamento. O sistema de partilha de bicicletas eléctricas acaba de chegar. Mesmo assim, a dúvida permanece: dá ou não para usar a bicicleta em Coimbra? Se não, porquê? Se sim, o que é que falta para se verem mais utilizadores de bicicletas como meio de transporte? E, já agora, que vantagens é que isso traz para a cidade e cada um individualmente?


Convidamos toda a comunidade para uma Conversa de Café no dia 25 de Maio, às 21h, no Café do TAGV – Teatro Académico de Gil Vicente, sobre a questão: «Não dá para usar bicicleta em Coimbra. Verdade ou mito?». O tema da mobilidade faz parte da nossa agenda editorial, uma vez que é incontornável quando está em causa a sustentabilidade ambiental mas também económica e social da nossa cidade. Partilhamos no entanto os créditos desta ideia com quem a atirou para a urna de ideias que disponibilizámos no debate público Coimbra não será Capital Europeia da Cultura. E agora?, no passado dia 27 de Abril. Acolhemos essa e também outra sugestão, que foi a de reduzir o número de convidados no painel.

Convidámos para a conversa de quarta-feira, que será aberta ao público e terá espaço para intervenções e questões de toda a comunidade, Álvaro Seco, professor do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Coimbra, doutorado em Transportes e responsável por diversos Estudos de Tráfego e Mobilidade em Viseu, Leiria, Setúbal e Coimbra. Também Bruno Marques, arquitecto e utilizador diário de bicicleta como meio de transporte, e Tiago Cardoso, chefe da Divisão de Mobilidade, Transportes e Trânsito da Câmara Municipal de Coimbra.

Estimamos que a conversa tenha a duração de cerca de 1h45 minutos.

Mais Histórias

Vai-se Andando | «O centro teve a sua vez, agora é a das freguesias»

A declaração é do professor e presidente da Associação dos Moradores do Monte Formoso, Manuel Cruz, que encontra na autarquia concordância de que a «zona periférica» é a mais necessitada de infraestrutura pedonal da cidade. Fomos até lá para conferir.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Sábado foi dia de Oficina de Soluções para sonhar a cidade de olhos abertos

Um grupo de jovens, com idades entre os 16 e os 22 anos, participou na iniciativa da Coimbra Coolectiva e apresentou propostas directamente à Câmara Municipal, em plena Semana Europeia da Mobilidade.

quote-icon
Ler mais small-arrow

O que falta para a mobilidade eléctrica em Coimbra ser mais ligada à corrente?

Coimbra tem 38 postos de abastecimento de veículos eléctricos mas a prometida rede municipal tarda em avançar. Há um espaço com nove postos no Vale das Flores por abrir e empresas de instalação de postos de abastecimento mostram vontade em aumentar a presença no concelho.

quote-icon
Ler mais small-arrow
Contribuir small-arrow