Voltar à home
Conheçam mais

Prata da Casa

Vejam e ouçam também

Ideias Fixes para Copiar

Participem

Anozero - Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra

Aproveitem

Circuito especial gratuito SMTUC

Sugiram

Outros convidados

Prata da Casa | À conversa com Carlos Antunes

Arquitecto, professor do Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra, director do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra e da Anozero - Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra, que está a decorrer e que é mais do que um conjunto de exposições ou momentos artísticos. Pensa-se a cidade e proporcionam-se oportunidades que podem inclusive moldar o seu futuro.

Partilha

Fotografia: Mário Canelas

Conheçam mais

Prata da Casa

Vejam e ouçam também

Ideias Fixes para Copiar

Participem

Anozero - Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra

Aproveitem

Circuito especial gratuito SMTUC

Sugiram

Outros convidados


Junto a uma belíssima figueira, no interior do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, e a propósito de uma visita guiada pelos jardins da cerca com Noel Kingsbury, um dos mais aclamados planting designers e editores de livros botânicos a nível global, que participou por exemplo no projecto do jardim High Line, em Nova Iorque, e que Carlos Antunes pensava que estava «tão distante como a Lua» mas afinal vive em Oliveira do Hospital, começamos uma conversa com o arquitecto e director da Anozero sobre a Anozero – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra, sobre a cidade e sobre a vida.

Para Carlos Antunes, aquela que é uma das mais notáveis cercas monásticas portuguesas poderia, por exemplo, ser vista como uma espécie de cidadela islâmica, que pode ser penetrada e criar relações de urbanidade entre as duas margens do Mondego. Já Agnaldo Farias, curador da edição anterior da Bienal, tinha pensado o Mosteiro como um lugar que espelha o lado de lá, o lado da Universidade de Coimbra, dominantemente masculina, e o lado da acrópole que tem ainda os ecos da presença feminina, das monjas que lá viveram, recentrando o rio como um eixo da cidade. Imaginar que há uma acrópole para o conhecimeto científico e outra para o conhecimento artístico que se entreolham.

E da mesma maneira que se espelham dois edifícios, porque não dois jardins botânicos? Carlos explica essa ideia para Coimbra, comenta o projecto municipal de permitir a transformação do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova num hotel de luxo, o impacto da Anozero – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra na cidade e o começo e desenvolvimento deste «sonho» que começou com uma edição experimental em 2015, partindo da classificação da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia como Património Mundial da Humanidade dois anos antes, e já é um dos evento mais apoiados pela Direcção-Geral das Artes a nível nacional – o mais apoiado ao nível da arte contemporânea.

«Como nós contribuímos com o melhor que podemos para as cidades onde vivemos, isto é, quando de facto percebemos que a cidadania depende em última instância dos pequenos contributos de cada um de nós, há uma máquina feroz que se põe em movimento e que transforma o mundo.»


Também falámos sobre o poder, que o arquitecto considera que deve ser «exercido com uma enorme parcimónia e, acima de tudo, deve estar sempre focado no empoderamento do outro, este é o poder mais extraordinário». Os equívocos de questões como o feminismo, as desigualdades e a uma nova espécie de condescendência dos poderes instituídos. «Temos de ser totalmente intolerantes com o abuso do poder, seja ele como for», atira sobre a luta pela qual está disposto a «dar tudo». Ao longo da conversa, abordamos inevitavelmente a segunda parte da Bienal que tem como título «Meia Noite», com curadoria de Elfi Turpin e Filipa Oliveira e uma fortíssima programação Convergente a decorrer um pouco por toda a cidade até ao final da edição, a 26 de Junho.

Se gostaram da conversa, falem sobre ela com os amigos, levem-na para o almoço de domingo com a família, partilhem-na nas redes sociais e não percam as próximas.

Mais Histórias

Prata da Casa | À conversa com O Tatonas

«Daniel», nome fictício, é autor do «suplemento sarcástico-pseudo-jornalístico de Coimbra» onde escreve como, para o sobre o coimbrinha comum.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Prata da casa | À conversa com Ana Rita Brito

A socióloga coordena a Akto, associação de Direitos Humanos e Cidadania sediada em Coimbra, que se prepara para abrir o segundo abrigo para crianças e jovens vítimas de tráfico humano e está a colaborar com o município e outras entidades locais no acolhimento aos refugiados que chegam diariamente da Ucrânia.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Prata da Casa | À conversa com Sara Matos

A empresária e formadora abriu, há dois anos, a primeira escola de vinho em Coimbra, a The Winehouse, e acaba de lançar a própria marca de vinho em lata.

quote-icon
Ler mais small-arrow