Voltar à home
Leiam

História e desafios do Canil de Coimbra

Adoptem

Cães e gatos

Voluntariem-se

Passear cães no Choupal

Não abandonem animais

É errado e ilegal

Apoiem

BeMyFriend

Opinião | A nossa história começou no Canil de Coimbra

Por João Pinto (e Kiara)

Partilha

Fotografia: Mário Canelas

Leiam

História e desafios do Canil de Coimbra

Adoptem

Cães e gatos

Voluntariem-se

Passear cães no Choupal

Não abandonem animais

É errado e ilegal

Apoiem

BeMyFriend

Olá!

Eu sou a Kiara, tenho cerca de 2 anos. Fui adoptada pelo meu dono há cerca de 6 meses. Quando cheguei ao canil não sabia muito bem o que me tinha acontecido. Só sei que tinhas dores na perna e no pescoço, mas uns senhores com uns fatos muito esquisitos trataram muito bem de mim e assim tornei-me seus amigos. Um dia, chegou um senhor que me enfiou num carro e levou-me. Estava muito assustada. Tanto que quando ele me meteu numa casa fiz xixi e tremia muito, mas depressa percebi que essa pessoa era minha amiga. HOJE SOMOS INSEPARÁVEIS!

Tenho comida, muitas festas e dou grandes caminhadas. Adoro quando vamos ao rio e mergulho! Quando o meu dono vai trabalhar, deixa sempre a porta da sala aberta, para eu ir para o terraço onde tenho sempre comida, água e os meus amigos Asdrubal e Francelina, dois lindos canários. Quando o meu dono chega ao final do dia, é uma felicidade indescritível. Salto muito e às vezes sujo-lhe a roupa – dessa parte ele não gosta muito, mas também começa a fazer-me muitas festas e carinhos. Um dia, ele chateou-se muito comigo porque, como gosto de coisas novas, comecei a tirar livros da estante e a separar as páginas. O meu dono não gostou mesmo nada, ralhou-me – ainda hoje não percebo porquê, só estava a tentar aprender a ler – e só sei que nunca mais toquei nos livros.

Eu e o meu dono brincamos muito e fazemos muitos carinhos um ao outro.
Sou muito feliz.
Kiara

Olá. Eu sou o João.

Adoptei a Kiara em Fevereiro, no Canil de Coimbra. Quando fui escolher um cão para adoptar tinha intenção que fosse macho e relativamente pequeno, mas quando vi a doçura dos olhos desta cadela e a meiguice com que me deixou tocar-lhe, não tive dúvidas de que era ela que eu queria. Na altura chamavam-lhe Sargenta, porque foi recolhida em Sargento-Mor, mas depressa percebi o carinho que todos tinham por ela no canil. Contaram-me que foi atropelada e teve de levar uma prótese na perna.

Cedo percebi que era um animal muito especial, muito meiguinha, inteligente e uma parceira insubstituível. Mudou-me completamente os meus hábitos: Comecei a fazer longas caminhadas diariamente e a ter um olhar de felicidade sempre ao meu lado. SOMOS INSEPARÁVEIS! Vou regularmente ao canil fazer uma visita com ela e vejo o amor e a dedicação com todos tratam os animais. Um bem-haja para todos.

Deixo um conselho: adotem um cão, pela vossa saúde. 

Obrigado. 
João Pinto

Mais Histórias

Ádrian, Clara e Evelin Luciana

São de Bogotá, na Colômbia e estão em Coimbra na condição de refugiados

quote-icon
Ler mais small-arrow

Manuel

Tem 48 anos, nasceu no Porto, é pintor na construção civil e vive na rua

quote-icon
Ler mais small-arrow

Elisa

Trabalha seis horas por dia e mora num quarto, com outras mulheres, em Santa Cruz.

quote-icon
Ler mais small-arrow