Contribuir small-arrow
Voltar à home
Saibam mais

Evolução do território nos últimos dez anos

Dêem a vossa opinião

Fase de consulta pública

Como falar (e ser ouvido) sobre a vida na cidade

Com o relatório sobre o ordenamento do território a entrar em consulta pública, é a vez de os cidadãos dizerem que rumo dar a Coimbra. É mesmo assim? Ouvimos três especialistas em vida urbana que explicam como melhorar o diálogo com o poder local.

Partilha

Fotografia: Mário Canelas

Saibam mais

Evolução do território nos últimos dez anos

Dêem a vossa opinião

Fase de consulta pública

Urbanismo de guerrilha. Petição pela Estação Nova. Manifestações contra o abate de árvores. As pessoas querem ser ouvidas sobre a vida na cidade e fazem contas aos prejuízos que a Coimbra do futuro – o tal centro de referência, com uma forte população activa e um sistema de transportes sustentável e democratizador – está a causar nas ruas onde vivem e trabalham. Há agora uma hipótese de equilibrar o saldo com a participação na consulta pública sobre o estado do ordenamento do território, mas a discussão arrisca-se a cair em saco roto. Não tem de ser assim.

O Relatório sobre o Estado do Ordenamento do Território tira o retrato a um município mais envelhecido, a perder população e dependente do sector público. É também o primeiro passo para mexer no Plano Director Municipal, suspenso este ano, já com o objectivo declarado da autarquia de libertar espaços para empresas e assim inverter a tendência de despovoação, através da oferta de mais e melhor emprego. As câmaras municipais estão também obrigadas a fazer, a cada quatro anos, um balanço da execução dos planos territoriais. Resultados? Metade das acções está por cumprir, com destaque para uma das áreas de bandeira do actual executivo – o ponto «acessibilidade, mobilidade e transportes» tem uma taxa de execução de 25%.

O relatório tem de ser analisado e votado pela Assembleia Municipal, mas antes disso fica aberto à discussão pública. É nesta fase que estamos. A participação pública é uma peça fundamental na gestão das cidades por ser uma forma de partilha do poder de decisão, mas há casos em que quem a promove procura mais uma caixa de ressonância do que um confronto de ideias. É a experiência de Carlos Figueiredo, presidente da secção regional do centro da Ordem dos Arquitectos: «Os grandes desafios – bacias hidrográficas, desflorestamento, incêndios – constam do relatório como princípio, mas não se debateu isso. Tenho uma visão diferente e se a comentar na fase de discussão pública vai ser considerada uma crítica e não um apelo ou uma mensagem mais positiva».

O arquitecto enquadra o fenómeno ao nível das autarquias, onde sinaliza uma «incapacidade de criar uma nova política de audição e de governança». «O poder local não faz (ou faz muito pouco) esta actividade que é a de ser uma boa orelha. Nós – arquitectos, paisagistas, urbanistas, engenheiros, geógrafos – temos muito a dizer e é neste somatório de ideias que temos de nos encontrar», aponta. Há mudanças a fazer dos dois lados. Se os poderes locais têm de estar dispostos a incluir as opiniões da sociedade nas decisões que tomam, também os cidadãos têm de mostrar que querem e são capazes de participar na gestão da cidade, pelas vias oficiais. Não é a prática: «A consulta pública tem, muitas vezes, uma intervenção quase nula», constata Isabel Lança, presidente da secção regional do centro da Ordem dos Engenheiros.

Para o espaço do diálogo ser ocupado falta preencher outro – o da informação. Também aqui a responsabilidade não é só das câmaras. «Os media têm um papel essencial. Não só para chamar a atenção para a consulta pública, mas traduzir o documento para o dia-a-dia das pessoas e motivá-las a participar», diz. Voltamos à ideia de ouvir no início e não no fim; de envolver a opinião pública na procura de respostas, em vez de fazer apenas uma consulta sobre desafios e metas, sendo ponto assente que quanto maior for a partilha de informação e de propostas, maiores são as hipóteses de consenso. Como chegar aqui? «Deve haver trabalho nos territórios; inquéritos; uma auscultação às populações. Não apenas colocar na net à espera que alguém comente», sugere António Rochette Cordeiro, professor de geografia na Universidade de Coimbra e coordenador de vários planos estratégicos para municípios.

Vamos falar de ambiente?

A participação pública surge também associada ao desenvolvimento sustentável, mas esta é uma das áreas com mais espaços em branco, apesar dos alertas no relatório para a urgência de minimizar os riscos associados às alterações climáticas. «Não vejo ODS [Objectivos de Desenvolvimento Sustentável] aqui. Para início de debate é fundamental discutir como vamos articular as peças de mobilidade, energia e espaços verdes no planeamento da cidade. Temos de ser mais desafiadores», insta António Rochette Cordeiro.

«O poder local não faz (ou faz muito pouco) esta actividade que é a de ser uma boa orelha. Nós – arquitectos, paisagistas, urbanistas, engenheiros, geógrafos – temos muito a dizer e é neste somatório de ideias que temos de nos encontrar»

Carlos Figueiredo, presidente da secção regional do centro da Ordem dos Arquitectos

Carlos Figueiredo concorda e recupera a ideia de economia circular para fazer um contraponto ao problema demográfico. «Qualquer autarquia diz que, para atrair população, tem de criar empresas. Esta ideia de querer crescer à custa da delapidação demográfica de outros é pura ficção porque os outros também estão atentos; não são parvos”, observa. Alternativa? «Potenciemos as nossas pedreiras, o nosso saber, as nossas indústrias. Em vez de ir buscar mármore a Itália, por que não vou a Ancião ou Ançã? É possível potenciar a nossa riqueza para que ande mais na nossa região».

A mobilidade – vertida no projecto Metrobus – é outra peça-chave quando falamos em cidades sustentáveis. Mas falta decidir tudo o resto: «Temos de ver o que é necessário para eliminar pontos demasiado quentes dentro da cidade, ter condições para dispersão de poluentes, zonas de arejamento, sombreamento e muitos espaços verdes», defende Isabel Lança. Rochette Cordeiro acrescenta outro factor: «O Metrobus vai alterar muito as lógicas de mobilidade e tornar apetecível um conjunto de espaços que estejam como urbanizáveis no PDM». Entre as linhas a preencher, está ainda a ligação aos autocarros públicos e à rede de alta-velocidade.

Coimbra parece caminhar para um espaço urbano melhor, mas tem entre os pontos fracos a capacidade de adaptação às alterações climáticas. «Já podia haver [no relatório] uma proposta mais musculada para minimizar impactos de ondas de frio ou de calor no espaço urbano, incêndios e inundações. O modelo pluviométrico está com uma grande alteração e é necessário ter mecanismos, quanto mais não seja a definição de planos de segurança e de alerta em caso de emergência», avisa Lança, numa posição que resume as principais preocupações dos especialistas.

A boa notícia que é nunca se falou tanto de urbanismo e cidades sustentáveis, quer nas classes profissionais, como nas universidades. Há estudos e soluções – falta fazer a ponte entre quem tem ideias e quem decide.

Mais Histórias

Nestas cidades, as ruas sem carros vieram para ficar

Carros? Com esta economia? Eis como quatro cidades retiraram quilómetros de asfalto aos carros, transformando uma solução pandémica popular numa solução permanente.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Rede Artéria: mapear municípios e promover debates para apontar soluções na área da cultura

Formação, trabalho articulado entre freguesias e criação de linhas de apoio são algumas das recomendações do projecto de investigação-acção para todos os envolvidos com políticas públicas.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Combinar direito e artes pode fazer os jovens imaginarem (e lutarem) pela cidade ideal

Projecto promove a participação da juventude na construção de uma Coimbra segura, saudável, inclusiva e solidária através de palestras e concursos dirigidos a alunos do ensino secundário e terceiro ciclo do básico.

quote-icon
Ler mais small-arrow
Contribuir small-arrow