Henrique França

Jornalista

Na primeira aula de Jornalismo – lá se vão alguns anos – eu sequer sabia o que estava a fazer na Universidade. Meses depois, carregava comigo a certeza de que não mais conseguiria encarar o mundo sem o olhar curioso e contestador de jornalista. Foi essa inquietação de repórter nortista brasileiro – nascido junto aos rios da Amazônia e adotado pelo mar do Nordeste -, que me levou a sítios tão diferentes: das favelas às solenidades, da agricultura familiar às indústrias, das oficinas de artesanato às multinacionais – sempre muito mais identificado com aqueles do que estes. Durante 12 anos, produzi textos para impresso e internet, TV e agência de publicidade, no Brasil. A primeira experiência profissional foi atípica: auxiliar os colegas de redação na identificação e organização de fotografias. Uma semana depois estava a assinar meus primeiros artigos. Não havia mais volta! Fui chefe de redação, produtor e editor-executivo (apesar de não me dar bem com gravatas). Mas nada se compara ao prazer de ser repórter, ouvir e contar histórias. Com elas conquistei cinco prémios de reportagem. Pelas histórias tenho sido duplamente desafiado e hoje minha rotina divide-se entre escrever capítulos de tese e artigos jornalísticos. Assim, entre aprendizados e utopias, esta agora é a minha forma predileta de vivenciar Coimbra: Coolectiva.

Voltar