Contribuir small-arrow
Voltar à home
Acompanhem

Programação RE/FORMA

Leiam

Metrobus e uma política de arborização insuficiente

Conversa – SOS Árvores: Coimbra precisa de reforma? 

No dia 26 de Outubro, juntamos no Seminário Maior de Coimbra o presidente da Câmara Municipal, José Manuel Silva, o biólogo Jorge Paiva, Anabela Azul do movimento ClimAção Centro e o presidente do Conselho de Administração da Metro-Mondego S.A, João Marrana, para um encontro aberto a toda a comunidade.

Partilha

Fotografia: Mário Canelas

Acompanhem

Programação RE/FORMA

Leiam

Metrobus e uma política de arborização insuficiente

O tema dá pano para mangas e parte de um assunto que é urgente e está na ordem do dia: a política de arborização da cidade e as obras para o futuro Sistema de Mobilidade do Mondego em Coimbra que, apesar de pretenderem «melhorar a integração do canal na paisagem e garantir reforço da estrutura ecológica urbana», implicam o corte de mais de 600 árvores.

A Câmara Municipal de Coimbra garante que é defensora das causas ambientais e que a autarquia está a fazer um esforço para repor grande parte das árvores, mas as manifestações continuam e há um grupo de cidadãos que está para interpor uma providência cautelar e instaurar uma acção popular perante os tribunais, não só de modo a decretar o abate dos plátanos da Avenida Emídio Navarro enquanto acto administrativo anulável (e, por conseguinte, a sua rectificação) mas também para determinar a quem pertence a responsabilidade pela ordem dessa derrubada.

Achamos que é preciso conversar. Aproveitando o convite da Blue House, responsável pelo RE/FORMA, o programa multidisciplinar que desde Junho celebra, de forma activa e crítica, os 250 anos da Reforma Pombalina na Universidade de Coimbra num diálogo entre Arte, a Natureza, a Ciência e a Educação, para dinamizar uma conversa sobre Ecologia, trazemos para a mesa este tema. Não só porque a cidade ainda tenta fazer o luto das árvores abatidas na Avenida Emídio Navarro, mas também porque continua a lutar para evitar que as da Rua Lourenço Almeida Azevedo e outras tenham o mesmo destino.

Propomos discutir a reforma da paisagem urbana nas cidades com a inclusão das rainhas do nosso património natural, neste encontro que se quer plural e profícuo, por isso convidámos o município, que será representado pelo presidente da autarquia, José Manuel Silva, o biólogo Jorge Paiva e a ClimAção Centro, que será representada por Anabela Azul, e o presidente do Conselho de Administração da Metro-Mondego S.A, João Marrana.

Jorge Paiva, é professor jubilado da Universidade de Coimbra, especialista em botânica e um incansável divulgador de ciência, com trabalhos publicados em áreas como a filotaxonomia, a palinologia, a biodiversidade e o ambiente. É autor da série As Árvores e Nós do jornal Público, e já em 2010 afirmou estranhar uma alegada doença dos fungos dos plátanos que terá provocado o corte de 37 árvores no Parque Dr. Manuel de Braga e no separador central da Avenida de Emídio Navarro, ao mesmo tempo que se estava a desenvolver um projecto de um metro ligeiro de superfície.

Anabela Marisa Azul é investigadora do Centro de Ecologia Funcional, Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, doutorada em Biologia e com especialidade em Ecologia, envolvida na promoção da cultura científica com o intuito de a aproximar a sociedade civil. É autora de vários artigos de investigação e livros como Descobre as Plantas!: Ciência a Brincar, Vamos cuidar da Terra: fazer pouco pode mudar muito e Da semente ao fruto: à descoberta do mundo das Plantas, dirigidos ao público infantil.

A autarquia tem sido alvo de muitas críticas devido ao corte de árvores na cidade e José Manuel Silva, em particular, por ter expressado a promessa de preservação durante a campanha eleitoral em Setembro de 2021, mas alegando ao Polígrafo que o seu executivo foi constrangido a autorizar o abate, sob pena de graves consequências para o projeto de mobilidade sustentável e para a região de Coimbra e reafirmando que a sua determinação é que o futuro seja mais verde do que o presente e que as árvores urbanas são essenciais para uma cidade saudável.

João Marrana sucedeu ao antigo vice-presidente da câmara de Coimbra João Rebelo na presidência do Conselho de Administração da Sociedade Metro Mondego, em 2019. Licenciado em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e mestrado em Engenharia Urbana pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, foi vogal do Conselho Executivo da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto de 2010 a 2012 e administrador delegado dos Transportes Intermodais do Porto, impulsionador da criação do passe Andante.

A conversa SOS Árvores: Coimbra precisa de reforma? vai ser no dia 26 de Outubro (quarta-feira) às 18h, no Seminário Maior de Coimbra. A entrada é livre e a comunidade está totalmente convidada a assistir e participar neste debate que se quer plural e esclarecedor sobre soluções para a cidade

*Artigo actualizado às 10:25 de 20 de Outubro de 2022


Mais Histórias

Da Serra à Cidade e da vontade de ver florescer a Baixa

Nasceu no espaço COL.ECO, morou na Rua do Paço do Conde e acabou de reabrir na Rua Corpo de Deus. Acompanhámos a abertura da mercearia tradicional e café que é fruto de uma dinâmica colaborativa entre inquilina e proprietários, unidos pela esperança na dinamização da zona histórica.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Re-food: dezenas de pessoas comem graças aos voluntários do «Uber do desperdício»

Em oito anos, o núcleo do Re-food 4 Good em Coimbra fez muito, mas ainda pode fazer mais. Hunter Halder, fundador do movimento que resgata excedentes alimentares e entrega a quem precisa, está a convocar toda a comunidade para uma Reunião Sementeira na segunda-feira, 4 de Dezembro, no Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Coimbra, modo de usar: dicas do urbanista Nuno Pinto para uma «qualidade de vida enorme»

Especialista em planeamento urbano e em transportes, Nuno Pinto é dos que acha que «isto não está tudo errado». À boleia pelas obras do metrobus, passeamos pela Baixa e fomos até à diáspora para perceber o potencial da cidade para responder aos desafios.

quote-icon
Ler mais small-arrow
Contribuir small-arrow