Contribuir small-arrow
Voltar à home
Saibam

O que é a Geração Coolectiva

Conheçam

Regulamento, programa e mentores

Quem apoia

Patrocínios e parceiros

Sábado a Geração Coolectiva ocupa a Coimbra Editora com ideias para a cidade

O evento gratuito e já com lotação esgotada conta com Adriana Mano, Alfredo Abreu, Sandro Resende e Miguel Antunes no painel de convidados.

Partilha

Fotografia: Unsplash, Mário Canelas

Saibam

O que é a Geração Coolectiva

Conheçam

Regulamento, programa e mentores

Quem apoia

Patrocínios e parceiros

Se já costumamos ser entusiastas em relação ao que fazer em Coimbra ao fim-de-semana, no de 14 de Janeiro a tarde de sábado tem direito a marcador fluorescente e vários lembretes no telemóvel. Entre as 14h e as 19h, se funcionasse a chaminé das antigas instalações da Coimbra Editora deitariam vapor tal será a sinergia criada pela Geração Coolectiva.

Depois do check in dos inscritos às 14h e boas-vindas da organização, um painel de quatro geradores de impacto vai partilhar casos práticos de transformação com os sonhadores-fazedores que se juntam a nós nesta vontade de fazer acontecer as suas ideias de mudança para o lugar onde vivem. O desafio foi mais do que bem recebido e a primeira coisa que quem participar vai receber é um banho de inspiração de Adriana Mano, Alfredo Abreu, Miguel Antunes e Sandro Resende, empreendedores nas áreas da cultura, acção social e novas tecnologias.

Será que as ideias deles vingaram à primeira? Como é que as desenvolveram? Como convenceram outros a acreditar nelas e que impacto tiveram?

Quem são

Empreendedora social e activista vegan, Adriana Mano criou a marca de calçado ecológico 100% português Zouri – From the Ocean, cujas solas são produzidas a partir de plástico recolhido na costa portuguesa e com outros materiais ecológicos e sustentáveis. Convenceu 600 voluntários para a ajudar a limpar as praias e recolher material para as primeiras colecções e foi recentemente distinguida com o prémio Outstanding Female Entrepreneur na Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, em Lisboa, onde ouviu do júri que a tecnologia de reaproveitamento do plástico é «uma das mais criativas e com maior potencial de escalar no setor da inovação mundial».

Sandro Resende, com quem já conversámos, acredita na arte sem preconceito e o trabalho num hospital psiquiátrico evoluiu para a criação do primeiro espaço de criação, hub social e galeria de arte bruta que promove trabalhos de artistas com experiência de doença mental. Além da parte artística, o Manicómio descentraliza os espaços de consulta, que disponibilizam no próprio espaço no Beato e no Maat – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. Consultas com preços mais acessíveis e menor tempo de espera dadas por terapeutas, psicólogos e psiquiatras parceiro do projecto.

Conhecem a Serve The City Portugal? Alfredo Abreu fundou a rede de voluntariado que mobiliza pessoas de todas as condições e convicções para uma cidadania activa, responsável e de proximidade, que já inspirou iniciativas idênticas noutras partes do mundo. Todos os dias, esta organização participa na construção de pontes entre pessoas, instituições e territórios, através de acções de voluntariado, de forma a tornar o sítio onde vivemos mais justo, fraterno e solidário. Encontro e mudança é com eles, sobretudo junto aos socialmente mais fragilizados como sem-abrigo, idosos isolados, crianças, jovens e refugiados.

Numa sociedade saudável e sustentável, o que se quer é que de mãos dadas com a protecção ambiental, a cultura, a solidariedade e o cuidado para com os mais vulneráveis estejam o empreendedorismo e a actividade empresarial, que dão gás à economia e ao desenvolvimento social. Miguel Antunes acredita que a união faz a força, mesmo numa esfera competitiva como a dos negócios, por isso esteve na génese do Nest Collective que abriga debaixo do mesmo tecto mais de uma dezena de empresas da área do desenvolvimento software, que partilham permanentemente a sua experiência e trabalham para o mundo inteiro a partir de Coimbra.

A Adriana, o Alfredo, o Sandro e o Miguel são a chave na ignição de ideias do evento colaborativo e aberto a todos da Geração Coolectiva. Com ou sem uma ideia prévia, logo à entrada os participantes são agrupados mediante os interesses que identificaram no formulário de inscrição para ao longo da tarde construirem «coolectivamente» soluções, guiados pela experiente equipa técnica do Shift Happens, que é um programa de aceleração onde a esperança, as competências e as oportunidades se juntam para criar negócios sociais significativos.

Há duas pausas para coffee break e o evento termina com uma ronda de pitches, que é a apresentação das ideias orientadas para o impacto que foram construídas e que têm de ser lançadas em apenas um minuto. Todos os que apresentarem o seu pitch vão receber, via email, o acesso a conteúdos e materiais de apoio. Depois um júri vai cozinhar os seus comentários, enquanto os anfitriões apresentam o segundo momento da Geração Coolectiva, que é o programa de capacitação de cinco semanas que começa no dia 18 de Janeiro. E voilà: as sementes estão lançadas.

Curiosos? Nós depois contamos como foi.

Mais Histórias

Festival Política: música cigana local ao palco e as mentiras de Van Der Ding 

É só o aquecimento do evento propriamente dito em Novembro, mas é uma estreia na cidade. Na sexta e Sábado, 10 e 11 de Fevereiro, a «festa da cidadania» chega a Coimbra. Os bilhetes são gratuitos e já podem ser levantados no Convento São Francisco.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Super Local ou a história do herói que faz a ponte entre a quinta e o garfo

Depois de 20 anos trabalhando em projetos de cooperação e desenvolvimento em diversos países, Filipe Duarte voltou às origens para criar um negócio que aproxima produtores agrícolas e consumidores, fortalecendo a economia local.

quote-icon
Ler mais small-arrow

Lindo Serviço | 8

Por O Tatonas

quote-icon
Ler mais small-arrow
Contribuir small-arrow