BEM-VINDOS

à Coimbra Coolectiva, revista digital de jornalismo de soluções


Somos um orgão de comunicação social independente, detido pela associação sem fins lucrativos COOL – Associação Coimbra Coolectiva – Jornalismo de Soluções e financiado através de donativos e bolsas de jornalismo. Não servimos quaisquer interesses além do desenvolvimento do próprio concelho, com o envolvimento da comunidade. Além da divulgação do que acontece em Coimbra, o nosso foco é a cobertura de soluções e o apelo ao activismo cidadão, porque acreditamos que juntos podemos todos fazer parte da construção de uma Coimbra melhor, mais sustentável, mais justa, mais inclusiva e com mais oportunidades.

História

Há cinco anos cansámo-nos de ouvir que «Coimbra é uma cidade com muito potencial mas parou no tempo». Ou então que «nunca se sabe o que se passa». Criámos a Coolectiva para provar o contrário e comunicar de forma acessível, desempoeirada, descontraída e atractiva (cool), acreditando que uma publicação online bonita, bem feita e rigorosa quanto baste pode ser a resposta. Em Março de 2018, começámos a publicar novidades na cidade e região, entrevistas, sugestões culturais e gastronómicas, dicas de saúde e bem estar, propostas para experimentar as mais diversas actividades e roteiros – individualmente, em casal, com amigos ou em família. Não só contámos o que se passava como seduzimos os leitores para a experimentação, atiçámos a curiosidade e despertámos o amor à camisola, acreditando que o conhecimento é amigo do progresso e da harmonia, além da manifestação maior dessa coisa tão bonita chamada liberdade. 

Não o fizemos sozinhas. Contámos com as contribuições e parcerias voluntárias de Paula Vale Marques (Agenda), João Azevedo, Inês Teixeira, Pedro Costa, André Santo, Ana Rita Rodrigues, Lara Lima, Luís Marques, Nanci Baptista, Pedro Marques, Vanessa Kuzer, Célia Lopes, Emanuel Casimiro, Ana Sousa Amorim, Ricardo Jerónimo, Rui Ferreira, Maria João Campos, Fernanda Paçó, Francisca Reis e Gabriela Torres. Em 2019, a entrada de Teresa Bento como terceiro cérebro da equipa foi decisiva para o sucesso do projecto. O trabalho e o espírito de missão traduziram-se na construção de uma marca sólida de comunicação – «lufada de ar fresco», como ouvimos tantas vezes –  que só conhece um momento de «folha em branco»: o início da pandemia. O que é que podemos propor a quem não pode fazer nada? Quem quer anunciar? É possível continuar? Como a alma não é pequena e o Pessoa sabe muito, acreditámos que sim, que valia a pena, e seguimos em frente. Mesmo com a redação ainda mais reduzida, mesmo sem poder sair à rua.

+ Reflexão

Pensar nos desafios

+ Cidadania

Procurar as respostas

+ Inclusão

Envolver a comunidade

No Verão de 2021, o nosso caminho cruza-se com o de pessoas preocupadas e com vontade de fazer algo por Coimbra. De encontro em encontro, torna-se evidente a empatia e sinergia que dão origem à solução: casar a revista com o projecto de Filomena Girão, Gonçalo Quadros e Miguel Antunes de desenvolver, juntamente com outros parceiros locais, uma plataforma que ponha Coimbra a discutir soluções para os seus próprios desafios e a escrutinar as forças locais. Criar um verdadeiro ponto de encontro que agregue a comunidade e a mobilize, nomeadamente no que toca às áreas da sustentabilidade económica, ambiental e social.

O nosso website foi pensado e desenhado com todo o carinho e empenho pelas equipas da Manicómio e construído pela RedLight. O vídeo de lançamento e apresentação tem assinatura de Tiago Cerveira e som da Blue House.

large-arrow

Jornalismo de soluções

Comunicar o que está mal sem apontar soluções é fazer metade do trabalho. Fazemos jornalismo de soluções e de proximidade, complementando o nosso trabalho com encontros e iniciativas regulares, dentro e fora da malha urbana de Coimbra. Seguimos a linha dos chamados jornalismo cívico e jornalismo construtivo, que contrariam um certo negativismo dos media e aproximam leitores, histórias e respectivos protagonistas. Um dos motes é procurar e partilhar bons exemplos que já estão a funcionar noutros lugares e o nosso chama-se The Philadelphia Citizen. Tal como a plataforma norte-americana, somos uma publicação de pessoas e causas, e também mantemos uma agenda cultural, comunitária e colaborativa para quem quiser aceder facilmente a tudo o que se passa, partilhar com os amigos e inserir os próprios eventos.

large-arrow

Missão

Apontar o foco para as respostas aos desafios da cidade e exigir uma nova forma de pensar aos que defendem o mais-do-mesmo. Construir uma Coimbra melhor, mais sustentável, inclusiva e com mais oportunidades. Os nossos conteúdos mais antigos continuam todos disponíveis, estão a ser actualizadas para o novo formato da publicação de forma sistematizada, e o nosso modelo de governação é claro: existimos enquanto houver vontade dos nossos leitores, associados e apoiantes. A transparência e independência são asseguradas: não temos publicidade e nenhum apoio dá direito a interferências nas decisões editoriais. À equipa inicial (composta pela Filipa Queiroz e pela Joana Pires Araújo), juntam-se Ana Sousa Amorim, Marta Ferreira Melo, Rafael Vieira, Vilma Reis, João Pedro Campos e Mário Canelas. Já ninguém é voluntário. Trabalhamos com optimismo para dar condições dignas a todos os que fazem o projecto acontecer. 

large-arrow

Apelo à acção

Queremos pôr assuntos que interessam na mesa, dar voz e rostos à comunidade e convidar à reflexão e a fazer a diferença. Por isso tudo o que fazemos tem uma intenção mobilizadora. Em cada publicação e em cada encontro puxamos a brasa à sardinha de Coimbra e indicamos formas práticas para que cada um de vocês se torne um cidadão mais activo. Além dos factos e de irmos atrás daquelas histórias que não estão a ser contadas, damos contexto, contactos e dizemos como é possível participar.

Equipa

Modelo de Governação

Somos propriedade da associação sem fins lucrativos Cool – Associação Coimbra Coolectiva – Jornalismo de Soluções e temos como princípio a transparência total, seja no jornalismo que produzimos, seja na gestão do nosso órgão de comunicação social. Filomena Girão, Gonçalo Quadros e Miguel Antunes dirigem a associação, que tem como missão envolver os cidadãos na promoção da sustentabilidade do concelho de Coimbra, mas a ideia é que o grupo cresça e acolha outros cidadãos movidos pela mesma vontade de mobilizar a comunidade, incentivar o activismo cidadão e construir uma Coimbra melhor.

Um donativo individual de Gonçalo Quadros permite o arranque do projecto — contratos para as fundadoras, contas fixas, recrutamento e aquisição de equipamentos —, sob condição única de multiplicarmos esse apoio, construindo um modelo de financiamento sustentável, com base em contribuições de particulares e fundos dedicados ao desenvolvimento de trabalho jornalístico e de inovação social. A continuidade será assegurada por novas contribuições individuais e bolsas de jornalismo atribuídas por fundações e associações.

De forma a assegurar a nossa independência, nem a associação nem quaisquer outros apoiantes da publicação interferem nas decisões editoriais. O artigo 13.º dos estatutos da associação estipula as competências da direcção e não contempla qualquer interferência na nossa estratégia editorial, nem qualquer outro mecanismo de controlo da liberdade de imprensa. A função da direcção é garantir a prossecução do fim social da associação, mas isso não lhe confere controlo na identificação nem desenvolvimento das histórias.

Asseguramos acesso gratuito e periodicidade diária, agora com uma equipa mais robusta, apesar de ainda sem as condições ideais. Trabalhamos diariamente no sentido de que isso aconteça a breve prazo e até lá não pagamos menos do que o que consideramos digno pela produção de informação útil e rigorosa. Quem quiser apoiar o trabalho que desenvolvemos pode fazê-lo voluntariamente através de transferência bancária. Os contributos financeiros são feitos sem qualquer contrapartida, ou seja, não correspondem à prestação de serviços nem à compra de qualquer produto.

Prestamos contas. Todos os contributos e despesas serão divulgadas publicamente em relatórios trimestrais, com a opção do anonimato no caso de os donativos serem anónimos. Acreditamos que o voto de confiança deve ser mútuo, da nossa parte e de quem nos apoia, por isso deixaremos às claras como gastamos o dinheiro, que decisões tomamos e quem nos financia.

Contactos

912 090 708

2.ª a 6.ª | 9h30 - 17h